Posts tagged ‘Uncategorized’

Como a Homeopatia vê as doenças

“O vento é o mesmo, mas sua resposta é diferente em cada folha” (Cecilia Meirelles). 

Estaremos aprofundado o conceito de Enfermidade, na Filosofia da Homeopatia. Trata-se de tarefa complexa, na medida em que os pacientes estão acostumados ao conceito de Enfermidade da Alopatia.

Tomando como exemplo um caso de enxaqueca, o médico homeopata começa sua consulta indagando como ela é sentida. Seguem-se perguntas de como é a dor, onde ela se localiza, desde quando se manifesta e outros detalhes mais. De início, são perguntas parecidas com as que fazem os médicos alopatas. Mas as semelhanças param por aí…

A partir de um determinado momento do levantamento da história do paciente, a Anamnese, as perguntas começam a seguir um rumo mais abrangente, com o médico homeopata buscando conhecer profundamente o indivíduo como um todo, não apenas em relação ao quadro de sua enxaqueca. Fica, então claro, que na Homeopatia a relação médico- paciente é radicalmente diferente.

Não basta ao médico homeopata o conhecimento do caso, em si, mas informações completas que lhe permitam saber a maneira particular de sentir do paciente, a estrutura de seus sentidos, as nuances de suas sensações, além de suas ações e reações aos estímulos específicos daquela vida, única em si mesma. Para a Homeopatia, cada caso é um caso único, embora a enxaqueca seja um conjunto de sintomas há muito delimitado.

Ao contrário da Alopatia, que constata que alguém está doente com enxaqueca, porque apresenta os sintomas dela, a Homeopatia procura entender porque e como a pessoa desenvolveu um conjunto de sintomas, no caso a enxaqueca. Para a Homeopatia, portanto a enxaqueca é apenas um conjunto de sintomas, que a pessoa doente acusou; ela poderia estar doente e apresentar sintomas diferentes, como os de úlcera estomacal ou de pneumonia. Cada organismo agindo e reagindo a seu modo, uma vida única em si mesma.

Os pacientes estão, em geral, acostumados a “identificar ” sua doença com a aparente disfunção de um órgão, como é a prática alopata. Como nem sempre os laboratoriais exames mais sofisticados registram com fidelidade disfunções de órgãos, impedindo um diagnóstico alopata preciso, há casos em que estes médicos se vêem diante da situação de simplesmente ter de confessar que “não encontraram nada nos exames”.

O fato é que mais e mais pacientes saem dos consultórios alopatas inseguros, pensando em buscar socorro de outro médico. Por isso mesmo, num volume cada vez maior de casos, alopatas têm diagnosticado viroses não identificadas, que procuram tratar com antibióticos do tipo mata-tudo, ou problemas nervosos, que buscam atacar com calmantes geradores de dependências químicas.

Embora os homeopatas possam enriquecer suas informações sobre os pacientes com os resultados dos mesmos exames laboratoriais requisitados por alopatas, eles dispõem de uma gama muito maior de dados, um histórico de vida, detalhes de situações anteriores ao aparecimento dos sintomas atuais, cujo conjunto é identificado como enxaqueca. Assim, os exames laboratoriais podem ser pedidos pelos homeopatas, mas com o intuito de confirmação de um diagnóstico, não na busca aleatória deste diagnóstico.

Para o médico homeopata, a Clínica é soberana. Antes de ser um homeopata, o médico tem de ser um perfeito Clínico Geral, que se utiliza de sua experiência em detectar sintomas pela ausculta, pelo tato, pela visão, e etc… O homeopata tem de ser treinado para, no uso de seus conhecimentos e bom senso, localizar o fator desencadeante do estado atual de seu paciente, da gravidade deste estado…

O homeopata sabe, antes de tudo, que sempre ocorre em primeiro lugar o desequilíbrio do ser como um todo, a pessoa perdeu sua sintonia fina com a vida, a harmonia do funcionamento dos órgãos de seu corpo, se debilitou, a saúde ficou prejudicada, o mal estar se instalou, a dor chegou. A imagem mais aproximada que se pode traçar para dar uma idéia mais clara é a da hora em que, ao se movimentar o dial de um rádio, perde-se a sintonia da emissora desejada, entrando em outra faixa de onda.

Está na perda desta sintonia, então, o início da enfermidade, manifestada em cada um de uma maneira peculiar, da mesma forma que não há um ser humano sequer integralmente igual a outro.

Homeopatia nas Enfermidades Agudas

É uma fantasia pensar, que a Homeopatia não é eficaz para tratar as enfermidades agudas. 


Caros Leitores,

O público ainda se espanta ao ouvir casos de pessoas que fizeram uso somente de Homeopatia para tratar algum processo agudo. Mal sabem eles, que estes e outros casos são comuns nos consultórios de qualquer homeopata, que segue os princípios da Homeopatia.

“Posso começar o tratamento homeopático durante a crise aguda, ou seria seria melhor esperar que ela passe?”
É muito comum ouvirmos das pessoas esta pergunta. O início do tratamento pode ocorrer tanto na fase aguda, quanto na fase crônica. Muitas vezes quando o quadro é agudo, podemos perceber com maior nitidez seus sintomas. Por exemplo, uma criança numa crise de asma tende a manifestar determinados sintomas, que muitas vezes os pais não percebem, e assim não conseguem descrevê-los durante as consultas.

Para a Homeopatia, os sintomas sutis, estranhos à normalidade do paciente, são fundamentais para a prescrição.
Assim temos neste caso exemplificado, uma criança demonstrando seu humor, que pode ser caprichoso, autoritário, intolerante. Umas necessitam de colo, de companhia, outras já querem ficar só. Outras vezes, é sua posição no leito que nos auxilia. Ela procura deitar só numa posição? Apresenta alguma intolerância às roupas ou cobertas? Tem sede? Esta sede é de golinhos, ou é de goles grandes? Pede que a abane?…
Neste contexto, estão incluídos também as formas de como ela manifesta seus medos, inseguranças e carências, em relação ao meio e às pessoas. Quantos destes sintomas do exemplo passariam despercebidos, se não fosse a crise aguda de asma?

Dependendo do tipo de doença, quanto mais cedo iniciar-se o tratamento, melhor.
É o caso das doenças alérgicas. Quando iniciamos precocemente o tratamento, podemos evitar a agressão dos medicamentos Alopáticos, que aliviam sintomas, mas freqüentemente necessitam de doses maiores, sem falar de possíveis efeitos colaterais. Desta forma também conseguiremos suspender mais cedo a tomada destes medicamentos Alopáticos, após verificarmos que estamos tendo sucesso com o tratamento Homeopático.

É portanto uma fantasia pensar que a Homeopatia não é eficaz para tratar as enfermidades agudas.

A Homeopatia na Suinocultura

ARTIGOS . NEGÓCIOS . GRANJA MODELO

Equilíbrio homeopático – Embora a aplicação da Homeopatia na Granja Querência ainda esteja em fase de pesquisa, a técnica tem tudo para se tornar a estratégia principal para controlar a sanidade do plantel e produzir suínos 100% naturais.

Redação SI (Agosto/Setembro-2001) – Suínos 100% naturais. Esta é a meta da Granja Querência, instalada em Salto (SP), para os próximos meses. Mas o que são suínos 100% naturais? Com a palavra Paulo César Michelone, gerente geral da granja: “São suínos produzidos sem o uso de antibióticos e promotores de crescimento”. Para isso, a Querência adotou em abril deste ano um sistema novo e inédito de produção e manejo sanitário do plantel, que alia a criação intensiva à Homeopatia. A técnica, reconhecida cientificamente como uma especialidade da medicina, caracteriza-se por apresentar produtos formulados a partir de plantas (80% da composição), minerais (10%) e frutos do mar (10%). “São produtos extremamente naturais, sem elementos químicos pesados, e que proporcionam a produção de uma carne limpa, sem resíduos”, diz.

A orientação técnica à Granja Querência, onde estão alojadas mil matrizes, é prestada pela veterinária Erlete Rosalina Vuaden, que está se especializando em Homeopatia no Instituto Samuel Hahnemann, de Piracicaba (SP). Ela revela que a Homeopatia foi criada em 1797, pelo médico alemão Samuel Hahnemann, para tratar humanos. Porém, o início da utilização da técnica em animais não é conhecido. Mas a veterinária revela que na suinocultura a Granja Querência é a pioneira no mundo. No entanto, Michelone e Vuaden ressaltam que a aplicação da Homeopatia na propriedade está em fase de pesquisa. “Ainda estamos pesquisando as formulações e dosagens ideais aos animais”, diz a veterinária.

O tratamento alopático (convencional) foi abolido da granja desde o dia 10 de abril último. Salvos os esquemas de vacinação das fêmeas contra Parvovirose, Leptospirose e Erisipela, e a vacinação contra Rinite Atrófica e Mycoplasma. “A vacinação é mantida por questões sanitárias, diz a veterinária. De acordo com Vuaden a vacinação faz parte de um processo de prevenção (imunização) aos suínos. “A vacina é um produto de biologia modificada e não um produto químico”, compara.

E mesmo com pouco tempo de implantação, a Homeopatia já começa a apresentar seus primeiros resultados positivos. “A maior vantagem é a ausência total de diarréia no plantel”, comemora Michelone (foto ao lado). “Desde que começamos com o tratamento homeopático o índice de diarréia veio diminuindo e hoje é zero”.

Como funciona? A Homeopatia baseia-se na lei da semelhança. Utiliza-se o mesmo componente que desencadeia a doença para curá-la. O medicamento homeopático provoca um estímulo na energia vital do indivíduo, ou seja, é o próprio organismo que se cura. Por isso, existem pacientes incuráveis e não doenças incuráveis. De acordo com a filosofia de Hahnemann, o mecanismo de ação da Homeopatia é do tipo “chave-fechadura”, isto é, só o medicamento correto poderá promover a verdadeira cura. Assim como na medicina convencional, um produto homeopático mal escolhido, além de trazer efeitos colaterais, poderá inibir a energia do paciente ou mesmo anulá-la, fortalecendo a doença ou causando, numa situação extrema, até a morte. “Portanto, o remédio deve ser semelhante ao paciente no seu comprimento de onda vibracional, nos seus sintomas mentais, gerais e físicos”, explica a veterinária.

A aplicação dos produtos homeopáticos pode ser feita de duas formas: glóbulos (as conhecidas bolinhas) e em gotas. Na suinocultura é melhor utilizar a aplicação via gotinhas. A veterinária explica que as gotas são mais fáceis de administrar aos suínos. “Basta abrir a boca do animal e aplicar a quantidade necessária”. Geralmente os leitões recebem três gotinhas do tratamento em intervalos de tempo determinados pela veterinária (que podem ser de duas em duas horas em casos de tratamento intensivo) e fêmeas reprodutivas e animais adultos recebem cinco gotas a cada aplicação.

O tratamento homeopático também pode ser aplicado via ração. As gotas são pingadas em açúcar cristal adicionado à ração dos suínos. A quantidade, segundo Vuaden, varia de 12 ml a 24 ml por tonelada de ração. A veterinária também frisa que desde a implantação da Homeopatia na propriedade todos os premixes utilizados na alimentação foram alterados. “Só estamos utilizando premixes livres de promotores de crescimento e de antibióticos”.

Além da ausência de diarréia no plantel, outros resultados positivos da Homeopatia são observados na creche. “Como faz pouco tempo que implantamos a técnica, somente podemos classificar como 100% tratados pela Homeopatia os leitões que hoje estão na creche”, esclarece o gerente. Ele alerta que esses animais são nascidos de mães já tratadas pela alopatia. Dessa forma, os benefícios mais significativos são observados na conversão alimentar. Michelone diz que após a adoção da Homeopatia os leitões estão consumindo cerca de 35 kg de ração para chegar aos 30 kg em 70 dias. Antes, eram consumidos 43,5 kg para atingir o mesmo peso em igual período. (Na foto: leitões que recebem as doses diárias das gotinhas são marcados para controle)

O gerente também destaca o controle de problemas com corrimento durante a gestação a partir do uso dos produtos homeopáticos. “Esses problemas desapareceram”. A Homeopatia ajudou ainda nos partos das fêmeas suínas. A granja adotava a indução do parto com hormônio. Hoje, a Homeopatia inutilizou a prática. O gerente até apelidou os produtos homeopáticos de “facilitadores de parto” pela forma de como conseguiram descartar a indução artificial e a realização do toque para o parto.

Respaldo – A Granja Querência tem planos de instalar um laboratório próprio para manipular os produtos homeopáticos. “Hoje pagamos cerca de R$ 0,08 por ml de produto manipulado”, diz Vuaden. Os produtos são produzidos em laboratórios de manipulação humana sob a orientação da veterinária. O consumo mensal desses produtos na granja é de aproximadamente 30 litros. Dessa forma, o custo da técnica não chega a ser alto. Porém, Erlete ainda não menciona retorno financeiro, pois o tratamento está em fase de implantação e pesquisa na propriedade. Mas adianta que os custos mensais da Homeopatia na granja podem chegar a ser 70% menores que os custos do tratamento convencional.

Num espaço de três mil metros quadrados (a granja está construída numa área de 30 hectares) já foram plantados 60 tipos de plantas medicinais entre arnica, boldo, hortelã, camomila, pimenta e outras, para utilização do plantel. “Além da Homeopatia estamos aplicando a fitoterapia aos suínos”, diz Michelone. A fitoterapia, tratamento à base de plantas, é aplicada aos animais em forma de pomadas e líquidos, preparados na própria granja, com propriedades de cicatrização. Neste caso, a fitoterapia é empregada nos processos de pós-castração e tratamento de artrites.

Todo o trabalho, pesquisa e implantação da Homeopatia na Granja Querência só foram possíveis por dois motivos: o voto de confiança do proprietário da granja, o empresário Weber Dalla Vecchia, e a participação da mão-de-obra. “O Weber confiou em mim e na Erlete quando nós apresentamos a proposta da Homeopatia a ele”, revela o gerente. E hoje, de acordo com Michelone, Dalla Vecchia acompanha os primeiros resultados positivos desse trabalho, sendo um dos que mais aposta no pleno sucesso do tratamento. Nesse sentido, a granja prevê comercializar os primeiros animais 100% tratados pela Homeopatia em meados de outubro.

Quanto à mão-de-obra, o gerente conta que a aceitação foi imediata. “Os 30 funcionários da granja gostaram tanto da novidade que alguns deles também começaram a se tratar com a Homeopatia”, revela (veja quadro). Segundo ele, os animais recebem as gotinhas, que são adocicadas, de uma forma muito melhor do que no manejo com os remédios convencionais e com as agulhadas das injeções.

Sem automação – Todo o trabalho de distribuição de ração na granja é manual. “Sou contra a automação porque valorizo a mão-de-obra”, diz Michelone. Desta forma, o contato dos funcionários com os animais é constante. E deve ser por esta razão que os suínos da Querência são tão dóceis. Os animais recebem diariamente o carinho dos tratadores.

Com a chegada da Homeopatia o índice de mortalidade na maternidade caiu 4%. “Antes tínhamos índices de mortalidade de aproximadamente 13,5%. Hoje a média não ultrapassa 9,5%”. O gerente diz que o efeito da Homeopatia, aliado ao manejo exemplar dos funcionários, está sendo extremamente rápido. “Nós não esperávamos resultados positivos em tão pouco tempo como estamos observando na granja”.

Mas nem tudo são flores. A Querência, como qualquer outra granja, está sofrendo as ameaças do fantasma do racionamento da energia elétrica. Para atingir a meta de economia do governo, o gerente determinou o desligamento dos aquecedores da maternidade mais cedo e a operação da fábrica de ração somente durante o dia. Ele ainda relata que adaptou os galpões de maternidade com cortinas transparentes, para promover a claridade interna, confeccionadas de material não poroso. “Sem a porosidade é possível manter a temperatura interna agradável aos leitões”.

O controle dos animais na Granja Querência é gerenciado por meio do programa Master Pig, um software desenvolvido na própria granja, com capacidade de emitir 85 tipos de relatórios. Segundo a afirmação do gerente, a diferença entre o Master Pig e os outros programas é que ele permite o gerenciamento da granja pelo próprio gerente. Uma expressão que indica flexibilidade de atitudes na granja. Além disso, o Master Pig é muito fácil de operar, inclusive com os dados da Homeopatia recém gerados na propriedade.

As pastagens de propriedades vizinhas e a própria horta da granja recebem adubo orgânico, a partir dos dejetos produzidos pelos suínos. Os dejetos são tratados com a ajuda de sete caixas e mais seis lagoas de decantação. A parte sólida tratada dos dejetos, conforme explica o gerente, é misturada com serragem ou capim para formar o composto orgânico. “Nós chegamos a comercializar 600 metros cúbicos ao ano desse composto orgânico ao preço de R$ 15,00 o metro cúbico”. Michelone também ressalta que em breve a Granja Querência estará comercializando adubo 100% orgânico, resultado do tratamento homeopático aplicado aos animais.

Do homem para o animal – A veterinária Erlete Vuaden e seus filhos há alguns anos começaram a se tratar com Homeopatia. Os resultados foram tão bons e tão rápidos que o seu interesse em adaptar e aplicar a técnica em suínos não demorou a surgir. “Procurei o Paulo Michelone e o Weber Dalla Vecchia e falei sobre as vantagens e qualidades da Homeopatia. Como a meta da granja é produzir e comercializar suínos 100% naturais, os dois aceitaram o desafio na hora”. Até os funcionários receberam a novidade com entusiasmo. A encarregada da maternidade, Aldecir Salviano Santos, 35 anos, começou a sofrer de depressão pós-parto logo após o nascimento de sua filha Rafaela (na foto), de 4 anos. “Fui a psiquiatra, psicólogo, tomei remédios fortes e nada me ajudou”. Com a indicação de Erlete, a encarregada procurou ajuda no tratamento homeopático. “Em pouco tempo de tratamento eu já estava me sentido bem melhor, hoje posso dizer que estou curada”. Aldecir começou o tratamento há menos de um ano. No trabalho, ela diz que Homeopatia tem sido uma ótima alternativa para as matrizes e para os leitões. “As gotinhas são fáceis de aplicar e não estressam os animais. Mas é preciso ter muita disciplina nos horários das aplicações”.

Querência – Na Querência são produzidos cerca de 1500 terminados/mês, comercializados quase que em sua totalidade ao mercado de Piracicaba. A propriedade trabalha com animais fêmeas Large White, Landrace da Suinogen e reprodutores Pen Ar Lan. A granja conta com uma fábrica de ração própria, cuja produção mensal é de 480 toneladas. A produção é feita em ciclo completo, com diferencial às baias da creche e da terminação que adotaram o sistema de baias grandes (250 animais por baia na terminação). Destaque também para a “sala suja”, um galpão com várias baias, forradas com serragem, para onde são encaminhados os leitões que não conseguiram atingir o peso ideal durante a amamentação (até os 19 dias de idade). As fêmeas também vão junto com os leitões e os amamentam até que consigam atingir o peso ideal de desmame. “A novidade desse sistema está na ausência de gaiolas, a fêmea fica livre e consome ração e água à vontade”, explica Paulo Michelone, gerente geral. O leitão também começa a receber quantidades da ração pré-inicial na baia junto com a sua mãe. “O sistema faz bem tanto para o leitão, que recupera o seu peso rapidamente, quanto para a fêmea que fica alojada em condições de extremo conforto”.

fonte: Andrea Quevedo (texto) e Daniel Rodrigues da Costa (fotos)

Homeopatia trata HPV

Verrugas genitais afetam homens e mulheres
.
São contagiosas e quando começam a aparecer o corpo, a recomendação é procurar orientação médica.
As verrugas genitais são popularmente chamadas de crista de galo. Provocadas por um vírus, o papilovirus humano ou HPV, são normalmente transmitidas por relação sexual.

Caracterizam-se por lesões moles, pequenas, de coloração rósea ou acinzentada, que crescem rapidamente em forma de pêndulo. Quando agrupadas podem ter a forma de couve-flor.

No homem, normalmente estão localizadas no pênis. Na mulher, na vulva, vagina e colo do útero. Também, podem ocorrer no ânus, reto e períneo – espaço que, no homem está compreendido entre a raiz do pênis e o ânus e, na mulher entre a porção mais inferior dos grandes lábios e o ânus.

Alguns desses vírus estão associados ao câncer de colo de útero. Neste caso, se a mulher fizer o exame ginecológico e o tratamento adequado, não haverá problema.

Essas verrugas são extremamente contagiosas. Portanto, ao notá-las em seu corpo, procure orientação médica e evite as relações, a não ser com preservativos.

OBS: O medicamento Thuya occidentallis é um dentre tantos outros que pode ser empregado no tratamento do HPV, pois como na Homeopatia cada caso é um caso, emprega-se o medicamento que mais se assemelha ao quadro de cada doente.

Texto adaptado pelo Dr. Marcos Dias de Moraes do jornal VIVA MELHOR da Petros – Ano XII, no 12, dez/2002

Esta página foi editada por Dr. Marcos Dias de Moraes e faz parte do projeto Divulgando a

Homeopatia nas Universidades

Durante o ano de 2002 estivemos solicitando informações dos colegas homeopatas com relação ao ensino de Homeopatia na várias universidades e o que obtemos foi o seguinte:

Alagoas
A Associação Alagoana de Homeopatia conseguiu junto à Escola de Ciências Médicas de Alagoas, a partir do próximo semestre a implantação da disciplina de Homeopatia na grade curricular de graduação – para médicos. Será um curso de 60 horas, baseado no Projeto da AMHB, inicialmente de forma optativa e posteriormente deverá se tornar obrigatório.

Amazonas
Conseguiu-se a aprovação do Conselho Universitário da Universidade do Estado do Amazonas da disciplina, que é optativa para os cursos de Medicina e Odontologia, tendo carga total de 60 horas, entre teóricas e práticas, com turmas de até 30 alunos. Caso haja procura acima de 50 alunos, estes serão divididos em 2 turmas.

Ceará
Em Fortaleza existe a cadeira optativa em Farmácia (sem referência da universidade)

Mato Grosso
A UNIC (Universidade de Cuiabá) apresenta a cadeira de Homeopatia para os alunos do 3o de farmácia.

Minas Gerais
A UNIPA (Universidade de Pouso Alegre-MG), tem o Curso de Pós-Graduação em Homeopatia no serviço de Homeopatia do HC, a cargo do Dr João Luiz, Diretor Técnico do HC Samuel Libanio de Pouso Alegre.

A FAFEID (Faculdades Federais Integradas de Diamantina) tem curso de extensão com o título: “A Homeopatia Odonto – Estomatologia e Dores”, para os profissionais dontólogos e acadêmicos do último ano da odontologia e veterinária com enfoque odontológico.

Paraíba
A UFPB oferece a cadeira de Homeopatia nos cursos na Medicina e Farmácia.

Paraná
A Faculdade Evangélica do Paraná é a pioneira no Paraná na introdução da cadeira optativa de HOMEOPATIA no curso de graduação de medicina a partir de 2002. Os alunos terão a opção de cursar 56 horas/aula de Homeopatia.

A AMHPR pretende também a implantação na PUC-Pr e UFPR .

Pernambuco
A UFPE estará iniciando no próximo semestre a disciplina eletiva de Homeopatia no curso médico, com 60 horas sendo 30 teóricas e 30 de prática.

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
UniRio
– A disciplina de Matéria Médica Homeopática é obrigatória no currículo da graduação médica desde julho de 1999. Esta disciplina é uma das 5 disciplinas do Departamento de Homeopatia e Terapêutica Complementar da Escola de Medicina e Cirurgia da UNIRIO. As outras 4 disciplinas
são optativas, a saber: Terapêutica Homeopática, Clínica Homeopática I, Clínica Homeopática II e a 4a é a Acupuntura.

Universidade Estácio de Sá – Oferece como disciplinas optativa: Homeopatia Veterinária em seu Curso de Medicina Veterinária a cargo da Dra. Maria Cristina Ribeiro.Campos
Faculdade de Medicina de Campos
– Curso Opcional de Homeopatia. Será de carater meramente informativo, aberto a medicos, estudantes de medicina, odonto, veterinaria e farmácia. Deverá começar em agosto de 2003 ou abril de 2004 e coordenado por Flávio Mussa Tavares e Tânia Salgado Monteiro.
Niterói
UFF
– Curso opcional no currículo do curso de Medicina.
Universidade Salgado de Oliveira (Universo) – Curso de Homeopatia como cadeira optativa para odontólogos. Vassouras
Faculdade de Medicina de Vassouras e Universidade Severino Sombra – oferece a disciplina optativa de “Introdução à Homeopatia”

Rio Grande do Norte
Em Assembléia do Departamento de Bioquímica da UFRN, foi criada a disciplina complementar em Homeopatia para a graduação do curso médico. Essa batalha teve inicio no ano passado, com o apoio do Dr. Joao Domigos e construída segundo o modelo da AMHB. Agora é uma realidade e será oferecida regularmente a partir do primeiro semestre de 2002 (Roberto Dimenstein).

Rio Grande do Sul
A UPF (Universidade de Passo Fundo) oferece curso de Homeopatia na área de Medicina Veterinária aos acadêmicos e médicos veterinários.A Universidade Santa Cruz do Sul – UNIS – oferece no Curso de Graduação de Farmácia, o Laboratório de Homeopatia no seu 6o semestre.

Santa Catarina
Na UFSC em Florianópolis é oferecido aos alunos do internato em Saúde Coletiva desde 1998. Eles têm 05hs/aula em grupos de 8 a 10 alunos a cada mês.

A partir deste semestre a Residência e o Curso de Especialização Multiprofissional em Saúde da Família passarão a receber 10hs/aula de noções gerais de Homeopatia. (Marcelo Maravieski)

São Paulo
FMUSP – Inclusão no currículo da Graduação de Medicina – O conteúdo programático segue o modelo proposto pela AMHB, com 72 horas-aula, ambulatório didático e participação dos alunos em futuros projetos de pesquisa. Será oferecido semestralmente, nos 3º e 4º anos (5º, 6º, 7ºe 8º semestres), para o máximo de 30 alunos.

USP – UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO – Oferecido a Farmacêuticos, Farmacêuticos-Bioquímicos e estudantes do último ano. Curso teórico, prático e à distância. Estágio em Farmácia
Homeopática credenciada.
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP existe desde 2003 a cadeira de Homeopatia, como matéria optativa.

FMJ – Faculdade de Medicina de Jundiaí – Cursos de Pós-graduação em Homeopatia: especialização para médicos (1200 horas – 2 anos) e aperfeiçoamento (450 horas – 1 ano). Um curso para Farmacêuticos está sendo preparado, em paralelo com a construção de uma Farmácia-escola. Início em agosto de 2003.

Lembramos que estamos continuamente atualizando os dados da Homeopatia na Universidade. Se você tem alguma informação neste sentido, escreva-nos.

Homeopatia para o gado

Volta Redonda – pólo da Homeopatia no Rio

A introdução da Homeopatia na rede pública, tem comprovado a economia trazida por uma terapia que trata de todo o organismo

As consultas feitas por médicos ou
dentistas homeopatas levam,
em média, uma hora de duração

Fornecer um atendimento diferenciado aos pacientes do Sistema Único de Saúde-SUS, com profissionais atenciosos, consultas de mais de uma hora de duração e ainda reduzir as despesas na rede pública de saúde, é possível? Para a cidade de Volta Redonda (RJ) a resposta é “sim”.

Localizada no baixo fluminense – a 110 km da cidade do Rio de Janeiro – há sete anos Volta Redonda vem mostrando a todas as cidades do estado as maravilhas obtidas pela introdução do serviço de Homeopatia nos postos municipais de saúde. Vários municípios, inclusive a capital do estado, têm procurado a prefeitura de Volta Redonda para obterem mais informações sobre como implantar a Homeopatia na saúde pública.
____________________________________
.
“Volta Redonda é considerada o pólo da Homeopatia no estado”
____________________________________

“O êxito alcançado por Volta Redonda estimulou o próprio governo do estado a lançar medidas favoráveis à inclusão da Homeopatia na rede pública de saúde”, destaca a secretária municipal da Saúde, Analice Silva Martins. “Volta Redonda é considerada o pólo da Homeopatia no estado”, define Analice.

A implantação do serviço de Homeopatia em Volta Redonda se deu em etapas. A primeira buscou convencer as autoridades locais sobre a sua importância. Para tanto foi elaborada uma proposta de mudança no modelo técnico-assistencial na rede municipal de saúde de Volta Redonda. Tomada a decisão política em favor da implantação da Homeopatia, foi realizado um concurso público para médicos e dentistas homeopatas. “Fomos uma das primeiras cidades no país a realizar concurso para esta especialidade”, lembra Analice. Feita a seleção, o trabalho de implantação se voltou para a sensibilização de todos os profissionais da saúde bem como dos pacientes para a importância da Homeopatia. Neste momento também houve a normatização das ações em prol da Homeopatia.

Num segundo momento, o objetivo da Secretaria de Saúde foi a implementação do serviço. Para tanto, os profissionais envolvidos empregaram seus esforços na consolidação do atendimento médico, na integração dos homeopatas às equipes de saúde, assim como na compreensão das formas de agir dos homeopatas pelos demais membros da equipe médica.
____________________________________

A Homeopatia gera uma considerável economia para o município
____________________________________

Ao concluir esta segunda fase, a secretaria passou a se dedicar à coleta de dados e informações específicas para avaliar os resultados da Homeopatia na rede pública. Agora, neste quarto momento da Homeopatia em Volta Redonda, a secretaria está direcionando as suas ações na divulgação e análise dos dados.
_______________________________________

Os medicamentos empregados no tratamento tem um custo reduzido
_______________________________________

A coordenadora do Grupo de Trabalho de Homeopatia de Volta Redonda – Fabíola Angelina Cesarina Martins – conta que os resultados encontrados nesta avaliação atenderam as expectativas, sobretudo, no que tange às propostas de mudanças do modelo técnico assistencial. “Esta análise já mostra que a adoção da Homeopatia resulta na redução dos gastos tanto na parte operacional, uma vez que o homeopata pede menos exames em função do tempo de consulta ser mais longo, quanto nas despesas com os remédios que por serem manipulados são mais baratos do que os alopáticos”, defende Fabíola. Além destes dois aspectos citados pela coordenadora do grupo, o tratamento homeopático a médio prazo leva as pessoas a adoecerem menos, uma vez que esta terapia trata do paciente como um todo e não apenas de uma doença isolada. Outro aspecto positivo na Homeopatia é que ela contribui para diminuir a necessidade de encaminhar o paciente para outras especialidades. Mas para a Secretaria de Saúde, a principal vantagem está na relação entre o profissional e o paciente. “O ganho de qualidade no atendimento, o vínculo desenvolvido entre profissionais da saúde e pacientes, estão entre as principais vantagens do tratamento homeopático”, aponta Analice. “O tratamento com um medicamento manipulado, também representa um diferencial desta especialidade, pois, com a manipulação cada paciente tem uma dosagem específica para as necessidades do seu organismo”, acrescenta. Segundo a secretária o único problema que o serviço da Homeopatia enfrenta é a falta de profissionais capacitados. “Contamos apenas com uma dentista homeopata e quatro médicos. Isto se constitui em uma barreira ao acesso da população de baixa renda ao serviço”, avalia. Conforme a secretária, das 3 mil pessoas cadastradas na fila de espera por uma consulta médica ou odontológica, 10% aguardam para serem atendidas por um profissional homeopata. “Ao mesmo tempo que esta demanda mostra que a Homeopatia vem conquistando credibilidade, este número também revela o problema da falta de profissionais especializados que dificulta, inclusive, a reunião de dados que comprovem que esta especialidade gera economia visto que o número de atendimentos na Homeopatia é pequeno em relação às outras especialidades”, conta.

Em Volta Redonda, das 3 mil pessoas
que estão na fila de espera por uma
consulta, 10% procuram homeopata

Enquanto não surge uma solução para o problema da falta de profissionais, a Secretaria Municipal de Saúde concentra seus esforços para alcançar mais uma meta: a gratuidade dos medicamentos aos pacientes de baixa renda.
___________________________________

A falta de profissionais dificulta o acesso dos pacientes do SUS
___________________________________

Mesmo sendo menor os custos dos medicamentos homeopáticos – geralmente entre 25% à 30% mais baratos que os alopáticos – a Secretaria de Saúde de Volta Redonda tem se esforçado para que os remédios sejam gratuitos para os pacientes de baixa renda. As duas farmácias de manipulação da cidade já fornecem de graça o medicamento para os pacientes sem condições de arcar com as despesas. Mas, para deixar de onerar as farmácias, a secretaria vem empregando todos os seus esforços na formalização de um convênio com a Universidade Estadual do Rio de Janeiro-UERJ, a fim de que os alunos do curso de farmácia produzam esse medicamento gratuitamente. “Desta forma os alunos ganham em aprendizado e os pacientes em saúde”, afirma a secretária que acredita que até o mês de março o acordo entre a UERJ e a secretaria seja assinado